quarta-feira, dezembro 05, 2007


Será errado idealizar o amor perfeito? Esperar que, como diria (ou cantaria) Adriana Calcanhoto, alguém em meia hora mude a sua vida, transforme a monotonia em algo maravilhosamente excitante... E os dias, antes tristes e escuros, em verdadeiras manhãs de sol? O ser humano (não só as mulheres) tem essa mania. A televisão, o cinema, a música, e até mesmo os livros, como artes, são representações simbólicas da realidade, por isso, falam, freqüentemente, dessa idealização amorosa. Nada mais justo. O problema é que alguns descobriram que podem ganhar dinheiro com isso, “fabricando sonhos”, e o resultado foge completamente do conceito de arte, de belo. Filmes piegas e totalmente sensacionalistas. Livros superficiais, que resumem os relacionamentos amorosos em “ E foram felizes para sempre...” . Músicas que ferem os ouvidos. Uma catástrofe. Mas o resultado disso? Recordes de bilheteria; milhares de exemplares vendidos; shows lotados.
Como entender?
A explicação é única: gostamos de nos iludir.
A realidade às vezes passa longe do que sonhamos. É fria, insensível, cruel...Assusta e magoa. É um verdadeiro tapa na cara. Dizer eu te amo, com a sinceridade que se diz nos filmes, é algo difícil, complicado. Bate a insegurança, o medo de tentar, o medo de perder... A dor da perda, a dúvida do que deu errado... E nos sentimos impotentes, destroçados... Mas no fundo, bem no fundo, começam a surgir idéias. Surgem esperanças de que tudo vai se ajeitar... E nos enchemos, aos poucos, dessa esperança que vai crescendo. O nome disso é sonho.
Mas sonho no meio da realidade?
É... Pode parecer contraditório, mas o sonho faz parte da nossa realidade. É dele que nos alimentamos quando tudo parece estar perdido. É ele que nos motiva, que nos move.
Não é errado sonhar.
Na realidade, é de sonho que vive o homem.


Ps: Se eu tivesse que escolher uma trilha sonora para esse texto, seria "The Blower's Daughter" - Damien Rice.

4 comentários:

Aline e Marcelo disse...

Amores perfeitos são chatos e até monótonos. Uma grande história de amor é mais comum do que se imagina, não é preciso um filme de amor arrebatador para suspirarmos, é só olhar em volta que veremos casais amando, sofrendo, sorrindo, lutando... enfim, se relacionando. O fato é que a tela fria do cinema é mais segura porque é só fantasia inspirada na vida real.
Sofre quem realmente idealiza um amor sem dificuldades, mesmo as mais pequenas, amar de verdade é conhecer e conviver e às vezes o príncipe ou a princesa visto tão de perto não é tão perfeito, aí que começa a verdadeira história: amar o outro pelo o que é e apresar do que é. Este é o segredo!

Bjm e obrigada pela visita ao nosso cantinho =]

Aline @-;-

Gabriel F. disse...

Fabuloso texto..
Acho que idealizar qualquer coisa é próprio do ser Humano...E é isso que nos torna criaturas fantásticamente belas!
A esperança!O brilho nos olhos!
Nosso espírito quando ferve,seja por vários motivos,nos faz criar cenários,idealizar pessoas e lugares...E é essa a quintessência do Poeta:
-Ferver,ferver sempre!
Arder e idealizar!!!
Uma pequena desmesura...Uma pequena loucura...

Não procure perfeição,pois não há...Procure beleza,em todos os seus sentidos...

Vou indo...Um abraço!
Ferva sempre!Idealize sempre!

Até...

B. disse...

Belo casamento entre texto e trilha...
você deixa saudades, moça.

E o Onabru? É tão triste vê-lo paradinho.

Beijo meu.

BABI SOLER disse...

Temos que sonhar, mas ter os pés no chão e saber que não existe ninguém perfeito, nem o relacionamento ideal.

As pessoas estão cada vez mais exigentes e intolerantes...